Google usa inteligência artificial para encontrar vírus na Play Store

Adrian Ludwig, diretor responsável pela segurança do sistema Android no Google, compareceu nesta semana à conferência Structure Security, em São Francisco. No evento, o executivo falou sobre como o Google combate vírus em aparelhos Android, e revelou que a empresa tem apostado em inteligência artificial para manter o Google Play limpo.

Esse novo sistema tem sido treinado a partir de dados coletados pelo Google Play Services, que incluem informações sobre quais apps são instalados e desinstalados em pouco tempo, o tipo de função que os aplicativos se propõem a fazer e quais recursos do sistema eles acessam. Com base nisso, a I.A. “aprende” qual é o padrão de comportamento de um malware.

Segundo Ludwig, o robô tem ficado cada vez mais inteligente. Seis meses atrás, o software criado pela equipe era capaz de identificar apenas 5% dos vírus mostrados a ele. Na última semana, o mesmo sistema identificou 55%. O objetivo é que, no futuro, essa inteligência artificial torne o trabalho de filtrar o conteúdo da Play Store totalmente automatizado.

Além disso, Ludwig contou ao The Register que, no começo deste ano, 0,6% de todos os dispositivos Android do mundo tinham algum vírus instalado. Desde que a I.A. começou a caçar malware no Google Play, esse número caiu para 0,25%. “Se você me perguntar em que ponto estava a segurança do Android seis anos atrás, ela estava bem longe da dos computadores. Agora nós deixamos os computadores para trás”, acrescentou.

A vantagem do Google ao aplicar inteligência artificial para identificar vírus no Android, segundo o executivo, é que o sistema operacional é o mais utilizado do mundo, está em praticamente todos os países e cobre todas as classes econômicas. Assim, o robô consegue aprender muito mais rapidamente, já que possui muito mais dados à disposição para estudar.

Notícias sobre vírus escondidos na loja oficial de aplicativos do Android surgem regularmente, o que explica o empenho do Google em tentar resolver o problema. Neste ano, a empresa também lançou o Google Play Protect, um antivírus nativo do Android feito para identificar apps maliciosos sem que o usuário precise instalar qualquer coisa.

https://goo.gl/GAVRJq

Nova versão do Firefox consome 30% menos RAM que o Chrome

A próxima versão do Firefox representa uma mudança tão drástica que a Mozilla decidiu ignorar sua numeração — que é 57 — e chamá-la de Firefox Quantum.

O navegador foi todo redesenhado, tanto em termos de comportamento quanto no que se refere a design, e a Mozilla garante que ele é mais eficiente do que o que se encontra pelo mercado. O próprio Firefox ficou lento perto do Quantum, já que a nova versão é duas vezes mais veloz que a que estava disponível há um ano.

Há mais de um truque por trás dessas afirmações, mas o principal é que a Mozilla desenvolveu um método que faz o Quantum rodar em vários núcleos de uma CPU em vez de confiar no desenrolar de uma única e morosa sequência, como acontece atualmente. Há um novo motor CSS, escrito em Rust, que tira proveito disso, operando paralelamente em núcleos diferentes.

Além disso, também mudou o comportamento das abas. A que estiver ativa tem total atenção em termos de carregamento, e o navegador prioriza abas por ordem de importância, prestando atenção àquelas que estiverem sendo usadas mais frequentemente.

Esses são recursos que vêm sendo testado há meses. Com o apoio da sua comunidade de desenvolvedores, a Mozilla conseguiu eliminar nada menos do que 468 problemas que contribuíam para tornar o navegador lento.

Outra questão que chama atenção no Quantum é o seu visual. A fundação aplicou o conceito do projeto Photon, garantindo que sua equipe “gastou tempo entendendo como os usuários enxergam navegadores”.

O browser respeita a nova tendência de telas com altas taxas de pixels por polegada. Também conta com animações mais suaves e uma biblioteca que reúne favoritos, histórico, downloads, abas, capturas de tela e Pocket — aliás, este último, que foi comprado pela Mozilla no ano passado, está integrado ao Quantum, funcionando como parte do navegador.

A versão estável do Firefox Quantum será liberada em 14 de novembro, mas já é possível baixar o beta para Windows, Mac, Android e iOS.

 

https://goo.gl/agCdtG

Instagram lança ferramentas para reduzir bullying na rede social

O Instagram anunciou nesta terça-feira, 26, novas ferramentas que visam diminuir o ciberbullying na plataforma. A partir de agora, os usuários serão capazes de filtrar automaticamente comentários ofensivos, além de terem acesso a ferramentas relacionadas à saúde mental.

Mesmo que a pessoa tenha uma conta pública, será possível escolher quem pode comentar em posts. Esse filtro pode ser feito a partir de todos ou apenas determinados grupos de pessoas, como as que você segue ou seus seguidores. Você também pode bloquear qualquer um de fazer comentários. Se possuir uma conta privada, pode selecionar contas que queira bloquear para que não possam comentar seus posts.

Reprodução

Em junho, a rede social lançou um filtro automático para bloquear determinados comentários ofensivos em inglês. Agora, o filtro foi expandido para os idiomas árabe, francês, alemão e português. Esse filtro utiliza inteligência computacional para identificar e esconder comentários ofensivos.

Também será possível denunciar tendências suicidas ou de problemas mentais em transmissões de vídeos ao vivo. Se você perceber, durante uma transmissão ao vivo, que alguém está passando por um momento difícil ou que precisa de ajuda, pode reportar de maneira anônima. A pessoa visualizará uma mensagem que oferece ajuda com opções para conversar com uma linha de ajuda, contatar um amigo ou obter outras dicas e ajuda. Essa ferramenta pode ser encontrada ao clicar nos três pontos da barra de comentários, na parte inferior da tela.

https://goo.gl/GTkoh5

Cientistas desenvolvem robô que pode andar como humano e ajudar em resgates

Pesquisadores da Escola Politécnica Federal de Lausanne (EPFL), na Suíça, estão trabalhando em um robô que pode se movimentar de forma mais similar a um ser humano. Batizado de CoMAN (Compliant Humanoid), o projeto tem dois braços e duas pernas e pode andar entre dois pontos mantendo o equilíbrio por si só. A ideia seria usá-lo em situações de resgastes ou para auxiliar em tarefas do dia a dia.

Em um vídeo publicado no YouTube, pesquisadores da universidade demonstraram como o robô é capaz de manter o equilíbrio enquanto anda mesmo sendo empurrado durante o percurso. Segundo a equipe, o CoMAN possui atuadores elásticos integrados a molas, que podem absorver o impacto, ao mesmo tempo que economizam energia e dão um andar mais natural ao robô.

Ao simular a movimentação de um ser humano, as máquinas poderiam atuar melhor em ambiente com outras pessoas e também em situações de riscos. O Comam poderia ser usado em resgastes em locais onde há obstáculos como escadas e um relevo acidentado. Além disso, a estrutura humanoide seria capaz auxiliar em tarefas corriqueiras como carregar objetos em uma empresa, por exemplo.

O desenvolvimento do CoMAN poderia ainda levar a criação de próteses e exoesqueletos para a área da medicina. Com esses equipamentos, pessoas com movimentos de algum dos membros comprometidos poderiam voltar a andar ou manusear objetos através de braços e pernas mecânicas.

Além da Suíça, outros países europeus estão participando na pesquisa do CoMAN, que é financiado com fundos da União Europeia. Em 2013, o Instituto Italiano de Tecnologia (IIT) divulgou um vídeo que mostra as capacidades de estabilização, adaptação e movimentação natural do robô humanoide. Confira:

Apesar dos avanços, robôs como o CoMAN ainda podem demorar a chegar às casas e empresas. A tecnologia ainda está sendo aperfeiçoada para tornar a movimentação das máquinas ainda mais natural e estável.

https://goo.gl/hRP8yE

Veja o ranking das melhores câmeras de smartphones

O iPhone 8 Plus teve a sua câmera eleita a melhor do mundo em smartphones no ranking especializado DxOMark. Embora pouco tenha mudado nos números, o estudo aponta que o telefone da Apple teve melhora significativa no processamento de imagens e em outros detalhes. Anteriormente, a lista era liderada pelo Google Pixel e pelo HTC U11.

Na análise publicada pelo DxOMark, o iPhone 8 Plus chegou a um placar geral de 94 pontos e bateu o placar de 90 pontos dos antigos líderes. A câmera do telefone da Apple recebeu os títulos de melhor zoom já testado e também de melhor Bokeh, que é o efeito de desfoque de fundo do modo Retrato. Outros destaques foram a performance do HDR e do reconhecimento facial das lentes do telefone.

No quesito vídeo, porém, o telefone da Apple ainda tem alguns pontos a melhorar. O aparelho recebeu 89 pontos, sendo prejudicado por quesitos como problemas de exposição nas gravações e também ruído visível em ambientes pouco iluminados. Nesse ponto, o Google Pixel continua liderando com 91 pontos.

Já o iPhone 8 comum foi apresentado como uma melhora sólida em relação à geração passada. O aparelho ganhou pontuação geral de 92 pontos, ficando em segundo lugar, tendo como destaque o HDR e a precisão do foco automático. Curiosamente, a versão menor obteve resultados levemente melhores na captura de vídeos, conquistando 90 pontos.

O DxOMark é um renomado teste de câmeras de smartphones que ranqueia os melhores aparelhos com base em testes em diferentes condições de luz e explorando quesitos como zoom, exposição, balanço de branco, entre outros. Nos últimos meses, o ranking foi liderado pelo Google Pixel e pelo HTC U11. Resta saber se a nova geração do telefone do Google ou o iPhone X, que chegará em novembro, vai tomar a liderança.

 

Fonte: https://goo.gl/jiU1p7

Apple libera iOS 11 para iPhone e iPad; veja como baixar a atualização

O iOS 11 já está disponível para download para iPhone, iPod e iPad. O novo sistema da Apple traz novidades como uma nova central de controle, interface renovada para tablets, tela de bloqueio unificada à de notificações, entre outros. O download pode ser feito gratuitamente para os dispositivos suportados.

Anunciado durante o WWDC, em junho, o iOS 11 funcionará apenas em aparelhos com processador de 64 bits. Isso significa que dispositivos antigos como o iPhone 5C, o iPad 4, o iPad mini original e versões anteriores não poderão baixar a atualização.

Antes de fazer o download do sistema, é recomendado que o usuário tome algumas precauções, como liberar espaço no armazenamento do telefone e fazer um backup dos arquivos na nuvem.

Para baixar o iOS 11 no seu celular ou tablet, basta abrir o aplicativo “Ajustes” na tela inicial do sistema. Em seguira, toque sobre a opção Geral e selecione “Atualização de Software. Feito isso, basta aguardar até que o sistema encontre o update e comece a fazer o download.

ReproduçãoAlém do iOS 11, a Apple libera o watchOS 4 para o Apple Watch e o tvOS 11 para a Apple TV nesta terça-feira (11). A data da atualização foi revelada na última terça-feira (12), durante o evento de apresentação do iPhone 8 e do iPhone X.

 

Fonte: https://goo.gl/aD7rKD

Spotify ganha integração com Waze para usuários de iPhone

Em março deste ano, o Spotify passou a funcionar juntamente com o Waze em dispositivos Android. Agora, essa integração chegou ao iOS. A partir desta semana, quem tem um iPhone pode navegar pelo Waze dentro do Spotify, ou ouvir suas músicas preferidas dentro do app de GPS.

O update nos dois aplicativos permite que o usuário comece a traçar uma rota pelo Waze dentro do app do Spotify. Também dá para acessar suas playlists salvas no aplicativo de música dentro do Waze. Um novo botão ainda permite alternar entre os dois programas mais rapidamente.

“Uma vez configurado, sua música será reproduzida automaticamente quando a viagem começar ou você pode navegar por suas playlists quando o carro estiver parado”, explica um comunicado emitido pelas duas empresas. Lembrando que quem tem Android já pode desfrutar do recurso desde março.

De acordo com Google (dono do Waze) e com o Spotify, o update traz benefícios para os dois lados. Para a gigante de buscas, a integração ajuda a melhorar a precisão do trânsito e dos alertas no aplicativo. Já para o Spotify, a ferramenta pode trazer novos usuários assinantes. Essa não é a primeira integração do serviço de músicas, que funciona, por exemplo, também com o Uber e com o Tinder.

 

Fonte: https://goo.gl/Sc3zCE

Como proteger suas conversas do WhatsApp com reconhecimento facial

O IObit Applock é um aplicativo gratuito que promete trazer um pouco do reconhecimento facial do iPhone X, Galaxy S8 e Note 8. Com ele, o usuário pode proteger aplicativos como o WhatsApp através da imagem da câmera frontal. Assim, é possível evitar que pessoas indesejadas tenham acesso às suas informações e histórico de conversas.

Para evitar o desbloqueio a partir de uma foto sua, aliás, o aplicativo de segurança conta ainda com um modo que exige que o usuário mexa o rosto em frente à câmera. Fora isso, há a possibilidade de fazer novas varreduras para melhorar a precisão do reconhecimento. Confira neste tutorial do Olhar Digital como proteger o WhatsApp ao “estilo FaceID”:

1.Baixe o IObit Applock na Play Store;

2.Após a instalação, abre o aplicativo e crie uma nova senha de desenho. Se quiser, também é possível usar um código PIN numérico;

Reprodução3.Confirme novamente a senha;

4.Após configurar a senha, o aplicativo oferecerá a opção de vincular um e-mail para recuperação caso se esqueça do código. Se quiser, toque em vincular e digite o endereço na tela seguinte;

5.Na tela inicial do IObit Applock, toque no botão sanduíche;

Reprodução6.Escolha a opção “Face lock”;

7.O aplicativo mostrará uma apresentação do recurso. Toque em “Começar”;

Reprodução8.Após o download do banco de dados, leia as instruções e toque em “Ativar agora”. Dê autorização para que o IObit Applock acesse a câmera;

9.Posicione o seu rosto no círculo de leitura e aguarde até a confirmação de sucesso;

Reprodução10.Dê volta à tela do Face Lock, toque sobre a engrenagem no topo;

Reprodução11.Ative a opção “Detecção de Liveness” para evitar que alguém desbloqueie o telefone com uma foto sua;

12.Na tela de instruções, toque em Ativar;

Reprodução13.Na tela seguinte movimente a cabeça conforme o boneco virtual abaixo;

14.Volte à tela inicial do IOBit Applock e toque sobre o cadeado ao lado do WhatsApp;

Reprodução15.Será necessário dar uma autorização especial ao aplicativo. Toque em Abrir no aviso;

16.Na tela seguinte, toque em IObit Applock e ative o acesso;

Reprodução17.De volta à tela inicial, deslize o dedo baixo para recarregar a lista até que outros botões apareçam ao lado do WhatsApp;

Reprodução18.Toque sobre o botão de rosto para ativar o reconhecimento facial;

19.Abra o WhatsApp e perceba que o IObit Facelook irá abrir a tela de reconhecimento facial;

ReproduçãoPronto! Agora você já sabe com proteger suas conversas do WhatsApp usando o reconhecimento facial.

 

Fonte: https://goo.gl/SZb1MH

Bateria do iPhone 8 é menor que a do iPhone 7

A Apple costuma ser bastante muquirana na divulgação de especificações técnicas de seus produtos. Uma das informações que a empresa costuma omitir é a capacidade da bateria e, ao que tudo indica, neste ano existe um bom motivo para isso: a bateria do iPhone 8 é marginalmente menor do que a do iPhone 7.

Segundo a TENAA, a agência reguladora das comunicações na China (similar à Anatel no Brasil) que homologa produtos que serão lançados no país, o iPhone 8 terá uma bateria de 1.821 mAh, enquanto o iPhone 8 Plus terá uma bateria de 2.675 mAh.

Isso significa uma redução de 7,1% em relação à bateria de 1.960 mAh do iPhone 7 e de 8,6% na comparação com o iPhone 7 Plus, com capacidade de 2.900 mAh.

A Apple, no entanto, afirma que isso não deve reduzir o tempo de uso do celular. Pelas métricas da empresa, uma única recarga do iPhone 8 deve proporcionar aproximadamente o mesmo tempo de uso de um iPhone 7, e o mesmo vale para os modelos Plus.

Mas se a bateria é menor, como o tempo de uso pode ser o mesmo? Por meio da otimização de hardware e software é possível fazer com que o dispositivo consuma menos energia. O processador A11 Bionic usa um processo de 10 nanômetros contra 16 nanômetros do processador A10, do modelo do ano passado, o que permite alcançar melhor desempenho usando menos energia.

É uma situação similar à vista no Galaxy S8 e Galaxy Note 8 em comparação com os celulares do ano passado. Temendo novos desastres como o do Note 7, a Samsung foi mais conservadora em suas baterias e chegou a diminui-las, mas sem causar perda de autonomia, graças à redução de 14 nm para 10 nm do processador.

Fonte: https://goo.gl/EVRasR

iPhones ficam mais baratos no Brasil

Nessa terça-feira, 13, a Apple revelou três novas versões do seu smartphone: o iPhone 8, o iPhone 8 Plus e o iPhone X, que se lê como “iPhone 10”. Este último chamou a atenção não só pela mudança drástica de design, mas principalmente pelo preço: US$ 1.000, o mais caro celular já produzido pela Apple.

Mas, como sempre, época de lançamento de iPhone também significa queda nos preços dos iPhones antigos. E foi isso o que a Apple fez menos de 24 horas depois, como pode ser notado em seu site oficial. O iPhone 7, lançado no ano passado, por exemplo, ficou quase R$ 300 mais barato na versão mais básica de 32 GB, e agora custa R$ 3.199 no Brasil.

Já o iPhone 7 Plus de 32 GB, primeiro da marca a vir com câmera dupla, agora está abaixo da barreira dos R$ 4.000, e passou a custar R$ 3.799. As versões de 128 GB dos dois modelos da geração iPhone 7 também ficaram mais baratas.

Já o iPhone 6s, lançado há dois anos, passou a custar R$ 2.499 na versão de 32 GB. Foi a maior queda na geração 6s, que antes custava quase R$ 500 mais caro. Já o iPhone 6s Plus de 32 GB agora pode ser comprado por R$ 3.000, quase R$ 400 mais barato do que uma semana atrás.

Uma das maiores quedas foi a no preço do iPhone SE, aparelho que tem hardware de iPhone 6s e tamanho de iPhone 5 – tela de apenas 4 polegadas. O modelo de entrada, com 32 GB de memória interna, custa agora R$ 2.000, o que representa uma queda de R$ 500 em relação ao preço praticado até dois dias atrás.

Por enquanto, porém, as novas gerações – iPhone 8, iPhone 8 Plus e iPhone X – ainda não têm data de lançamento e nem preço anunciados para o Brasil.