Como controlar o PC a distância usando seu celular Android

Vez ou outra é possível que você tenha se visto diante da necessidade de usar o PC a distância. Como quando você deixa o computador ligado no quarto fazendo o download de algum conteúdo e quer checar, sem ir até lá, se o processo já terminou. Pois saiba que é possível controlar o PC a distância com seu celular Android, usando apenas aplicativos confiáveis do Google. Aprenda esse truque seguindo o passo a passo abaixo.

Começando pelo PC que você quer controlar:

1. Abra o Google Chrome, vá até a loja de extensões do navegador (chrome.google.com/webstore) e procure por um app chamado “Área de trabalho remota do Google Chrome”;

Reprodução

2. Ao encontrá-lo, basta clicar em “Usar no Chrome”, no canto superior direito da tela;

Reprodução

3. Uma nova pequena janela vai se abrir pedindo que você confirme os privilégios daquela extensão. Basta clicar mais uma vez em “Adicionar aplicativo” e aguardar o download;

Reprodução

4. Em seguida, você será redirecionado para a tela de apps do Chrome. Clique então no aplicativo de Área de trabalho remota;

Reprodução

5. O programa vai se abrir oferecendo duas opções: “Assistência remota” e “Meus computadores”. Sob cada uma delas há um botão que diz “Primeiros passos”. Clique no que fica na parte de baixo, sob “Meus computadores”;

Reprodução

6. Aquela área de “Meus computadores” vai mudar um pouco, mostrando um novo botão chamado “Ativar conexões remotas”. Clique nele;

Reprodução

7. Surge um novo alerta na tela pedindo que você baixe o host do programa no seu PC. Clique em “Aceitar e instalar”;

Reprodução

8. Quando o download do host terminar, basta clicar nele uma vez (na barra de downloads do Chrome) ou ir até a pasta onde ele foi salvo para abri-lo. Uma ferramenta de instalação vai aparecer e sumir rapidamente. Não se preocupe, esse é o procedimento normal;

Reprodução

9. Agora, abra o app “Área de trabalho remota do Google Chrome” novamente e clique outra vez em “Ativar conexões remotas”;

10. O programa vai te pedir um PIN, que é um número de segurança para certificar a pessoa que vai acessar seu PC pelo celular – ainda que seja você mesmo. Digite até seis números, confirme e depois clique em “OK”;

Reprodução

11. Você verá uma mensagem dizendo que “As conexões remotas deste computador foram ativadas”. Clique em “OK”.

Reprodução

Agora vamos ao celular que você vai usar para controlar o PC (mas mantenha-o ligado):

1. No Google Play, procure por um aplicativo chamado Chrome Remote Desktop. Baixe-o no seu Android;

Reprodução

2. Depois que o download terminar, abra o app. Você verá uma estação ativada nas proximidades – no caso, o PC no qual você acabou de instalar o mesmo programa. O nome que aparece é o mesmo que está sendo usado nas configurações da máquina. No nosso caso, chama-se “redacao4”, mas no seu deve ser outro nome. Toque nele;

Reprodução

3. Uma nova janela vai se abrir pedindo aquele mesmo PIN que você cadastrou no PC. Insira o código de pelo menos 6 dígitos e depois toque em “Conecte-se”;

Reprodução

4. Pronto. Agora você já pode controlar o PC pelo celular. Basta arrastar o dedo pela tela para mover o cursor. Lembrando que você ainda pode usar o computador de forma independente se quiser.

https://goo.gl/D1zbm3

Samsung revela tela 4K para cinemas

Nem só de smartphones vive a Samsung. A coreana anunciou nesta terça-feira uma tela LED para salas de cinema. A “Cinema Screen” promete melhorar a qualidade da imagem e aumentar a vibração e a precisão de formas nunca antes vistas. Segundo a empresa, essa é a primeira LED de alta gama dinâmica do mundo a ser usada nas telonas.

Reprodução

A tela tem mais de 10 metros com resolução 4K (4,096 x 2,160 pixels). Nossa nova tecnologia Cinema Screen traz uma imagem mais poderosa e de alta qualidade para a tela grande, criando um ambiente onde os espectadores se sintam como se fossem parte de cada cena”, explica Sang Kim, vice-presidente da Samsung.

Reprodução

A tecnologia oferece um brilho máximo 10 vezes superior ao dos projetores padrão, sem nenhuma distorção ou interferência. O áudio dos filmes também deve se destacar. A companhia fechou uma parceria com a Harman Professional Solutions para levar sua tecnologia ao produto. A estreia será feita entre 27 e 30 de março, no Cinemark Century Orleans 18 e no XD Theatre, em Las Vegas, onde acontece a CinemaCon 2017.

https://goo.gl/T8TDIC

Google e Symantec entram em guerra sobre segurança digital

O Google anunciou na semana passada, por meio em um post em seu blog de desenvolvedores para o Chrome, que pretende rebaixar o nível de confiança em certificados digitais emitidos pela Symantec. Isso significa que sites que têm certificados da empresa de segurança poderão não ser exibidos (ou mostrar uma série de avisos de segurança) aos usuários do navegador do Google.

De acordo com a empresa, a Symantec deu acesso indevido a suas ferramentas de autenticação a quatro grupos, que emitiram de maneira inadequada mais de 30 mil certificados de autenticação para sites. Por esse motivo, o Chrome passará a confiar menos em certificados emitidos pela empresa de segurança, o que poderá impactar a navegação dos usuários em sites que tenham certificados da Symantec.

Certificação digital

Quando um site usa HTTPS, ele precisa garantir um certificado de autenticidade que prove que ele realmente é aquele site. Esses certificados são emitidos por Autoridades de Certificação (CAs na sigla em inglês), uma das quais é a Symantec. Segundo o TechCrunch, o navegador busca por esses certificados para garantir ao usuário que aquele site realmente é o que diz ser.

O problema foi que o Google fez um levantamento sobre os certificados emitidos pela Symantec e verificou que eles não se adequavam aos procedimentos de segurança que o Google exige. Isso, de acordo com o engenheiro de software da empresa, Ryan Sleevi, criava “um risco significativo para os usuários do Google Chrome”.

Resposta

A Symantec, de sua parte, não concordou com a atitude tomada pela empresa. Em um post em seu blog, ela diz que a ação do Google foi “inesperada” e “irresponsável”: “As alegações do Google sobre nossas práticas de emissão [de certificados] e a extensão de nossos problemas no passado são exageradas e enganadoras”, disse a empresa.

Fora isso, a empresa ainda acusou o Google de ignorar práticas perigosas de outras fornecedoras de certificados e “pegar no pé” da Symantec, segundo o Engadget. No seu comunicado, a empresa reforça aos seus clientes que eles “podem continuar a confiar na segurança dos certificados SSL/TLS da Symantec” e que eles estão “abertos a discutir a questão com o Google para resolver a situação, no interesse de nossos clientes e parceiros”.

O que fazer?

Se você usa o Chrome, pode começar a receber mais avisos do tipo “Este site não é seguro”. Nesses casos, a recomendação é a de sempre: evite o site. Mesmo que o atrito entre o Chrome e a Symantec se revele não ser nada sério, você não vai querer correr o risco. Se for essencial acessar aquele site, tente entrar com outro navegador de sua confiança.

Por outro lado, se você for um desenvolvedor, vale a pena ficar esperto a essa notícia. No bost do blog de desenvolvedores, o Google deu mais detalhes sobre como essa mudança afetará o suporte a certificados emitidos pela Symantec.

https://goo.gl/OooUOy

WhatsApp dará dois minutos para usuário se arrepender e ‘cancelar’ mensagem

O WhatsApp continua testando a possibilidade de permitir aos usuários o cancelamento do envio de uma mensagem, oferecendo uma chance para de evitar que uma publicação constrangedora chegue ao destinatário. A empresa já desenvolve a ferramenta há alguns meses, mas agora reduziu o período em que é possível “revogar” o envio.

Quando o recurso foi conhecido inicialmente, o WhatsApp pensava em dar até 29 minutos para que o usuário deletasse o post, mas agora esse período se transformou em apenas 2 minutos, como informa o perfil WABetaInfo, que acompanha e destrincha as atualizações do aplicativo atrás de novidades.

Para quem ainda não entendeu como o recurso funciona: a ideia de revogar a mensagem é diferente do recurso de apagar que existe atualmente. Hoje, quando você deleta um envio, a outra pessoa ainda recebe o material; ele só some da sua tela. Com a nova ferramenta, seria possível remover a publicação do celular do destinatário, permitindo que ele não veja alguma publicação de que você tenha se arrependido de enviar. A pessoa ainda será informada de que chegou alguma mensagem sua, mas não terá acesso ao conteúdo.

Com a restrição de 2 minutos, a janela para o arrependimento diminuiu drasticamente, no entanto. Após o período, não será mais possível cancelar o envio.

O recurso, por enquanto, está escondido no aplicativo, mesmo para os usuários da versão beta, e as informações têm sido obtidas “hackeando” o app a cada update atrás de novidades. É importante observar que ferramentas em fase de testes nem sempre acabam chegando à versão final, então existe a chance de que o WhatsApp nunca receba a versão final do recurso.

https://goo.gl/MSFpvh

Usuários de Android poderão baixar um app pago gratuitamente por semana

O Google começou a testar uma sessão dentro de sua loja de aplicativos que dará um software pago por semana aos usuários do Android.

O primeiro escolhido foi “Card Wars”, um jogo baseado no desenho animado “Hora de Aventura”, do Cartoon Network. Geralmente, o título custa US$ 3, mas foi liberado gratuitamente nesta semana.

A sessão, chamada “Free App of the Week” (“aplicativo gratuito da semana”, em tradução livre), foi vista primeiro pelo pessoal do Android and Me.

[Atualização às 7h03] Originalmente, noticiamos que a área estava disponível inicialmente apenas nos Estados Unidos, mas usuários brasileiros relatam que também já estão conseguindo acessá-la, então o Google parece estar em processo de implementação global.

Não é a primeira vez que o Google cria uma promoção semanal, já que em 2015 havia um formato parecido que acabou sendo descontinuado. A empresa ainda não fez qualquer comunicado a respeito da novidade.

https://goo.gl/sg2M2H

UTILIZAÇÃO DO SMS EM CLÍNICAS MÉDICAS E ODONTOLÓGICAS

Pesquisa realizada pelo Departamento de Informática em Saúde (DIS), da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), em parceria com a empresa KATU, detectou que mensagens SMS podem reduzir a ausência de pacientes em consultas médicas. A pesquisa concluiu que o porcentual de falta de pacientes a consultas após o recebimento de mensagens pelo celular nas clínicas médicas da cidade de São Paulo foi de 19,45%. Quando esse esse recurso não era utilizado, o número era de 25,75%.

Esse resultado demonstra a importância que o uso de SMS vem ganhando no setor de saúde. Atualmente, são diversos hospitais, clínicas médicas e odontológicas investem no uso do SMS Corporativo, que permite lembrar o paciente sobre o agendamento de consultas, exames, e até mesmo procedimentos cirúrgicos. A A2SMS, presente no mercado há mais de 15 anos, possui esta solução para sua clínica com o melhor custo x benefício do mercado e com qualidade de entrega.

O envio do SMS pelo sistema da A2SMS ocorre de forma simples e automatizada, e permite inúmeras ações, entre elas:

– Informar sobre o agendamento de consultas, de exames e de pequenos procedimentos cirúrgicos;

– As mensagens podem ser enviadas a médicos, dentistas, cirurgiões, anestesistas, auxiliares e para paciente;

– O envio pode ser agendado, sendo determinada a data e hora previamente;

– Possibilita a comunicação ágil com prestadores de serviços, médicos e funcionários;

– Acesso a relatórios do status de entrega das mensagens, mostrando dia, hora e contéudo enviado na mensagem.

Para ilustrar isto de forma mais clara, segue abaixo o depoimento de um cliente que usa o sistema de sms para que você também saiba como o envio de SMS pode auxiliar na sua rotina:

“Sou empresário e franqueado e possuo 8 unidades. Ao longo do crescimento da marca, percebemos uma carência que tínhamos na comunicação com o paciente, muitas vezes ele não se lembrava do dia de sua consulta ou até mesmo da data de pagamento. Após o início da parceria com a A2SM, conseguimos estreitar este relacionamento com o paciente, pois disparamos todos os dias os SMS para lembrá-los das consultas do dia seguinte, mandamos cobranças via SMS com vencimentos dos boletos e, com isto, conseguimos reduzir em cerca de 30% o número de pacientes que faltavam as consultas das clínicas. A nossa inadimplência também conseguimos uma redução de 50%, ou seja, com um simples envio de SMS avisando da data do vencimento do boleto, conseguimos reduzir pela metade a nossa inadimplência.

Vale ressaltar também que o envio de SMS por meio da A2SMS nos ajudou a evitar horários ociosos, tanto dos dentistas como também ausência dos pacientes. Somos extremamente satisfeitos com o trabalho que a A2SMS vem realizando ao longo destes 4 anos e 8 meses de parceria, pois é um serviço rápido, fácil e prático e automatizado via sistema. Pretendemos cada dia mais aumentar a parceria com número de clínicas e número de envio SMS que fazemos junto à A2SMS, pois é algo que nos garante uma comunicação com os pacientes de forma rápida e personalizada, sem trabalho manual, tudo via sistema e o mais importante: temos a confiança de que o paciente recebe o SMS enviado, o que resulta em sucesso e retorno garantido.”

Clientes satisfeitos são a melhor propaganda que uma empresa pode possuir. Se o serviço ou produto prestados forem de qualidade e trazerem satisfação para quem os utiliza, é certeza que este usuário comentará sobre isso com outras pessoas.

Na área de saúde funciona exatamente igual. Um paciente satisfeito, comentará sobre o atendimento com alguma outra pessoa que precisa de assistência médica e odontológica, que comentará com outra e assim por diante.

Desta forma, é possível melhorar, aprimorar e promover a imagem da instituição e dos serviços prestados por ela e para isto você pode contar com a A2SMS sempre que precisar.

www.a2sms.com.br

As 14 coisas que você não pode fazer no Facebook

Como todas as comunidades, físicas ou virtuais, o Facebook tem suas regras de convivência. Elas nunca ficam muito claras e a maioria dos usuários jamais chegou a procurar a página onde os termos são descritos em detalhes, que podem ser conferidos clicando aqui. Abaixo está um resumo das principais regras da rede:

Violência e ameaças –  O Facebook se compromete a remover qualquer conteúdo que indique que alguma pessoa esteja em risco de sofrer violência. Organizações terroristas também são vetadas, assim como posts que promovam atos de vandalismo, roubo, ou que causem danos financeiros a outras pessoas.

Autoflagelação – O Facebook remove conteúdo que encoraje a automutilação, distúrbios alimentares ou o uso de drogas pesadas. Pessoas com tendências suicidas poderão receber auxílio de agências de prevenção.

Bullying e assédio – Comportamento abusivo direcionado a pessoas específicas, como envio de solicitações de amizade repetidamente, ou mensagens indesejadas são consideradas assédio, e o Facebook não aceita.

Discurso de ódio – A empresa faz distinção em discursos sérios e humor e encoraja discussões de ideias, mas não tolera que grupos ou indivíduo ataquem pessoas baseado em “raça, etnia, nacionalidade, religião, gênero, orientação sexual, deficiência ou doença”. A rede social, no entanto, não veta o compartilhamento deste tipo de publicação quando ele é feito com fins de educar outros usuários.

Conteúdo explícito – O Facebook não veta imagens violentas indiscriminadamente: existe uma subjetividade. A rede social permite a divulgação de material como decapitações, desde que seja com intuito de condená-lo. Para fins sádicos ou glorificação da violência, não é permitido.

Nudez e pornografia – Material pornográfico é proibido. Para a nudez existem limites: fotos de amamentação são permitidas, assim como imagens de mulheres mostrando o peito após uma mastectomia. Mamilos femininos sem um contexto mais específico serão removidos, e quaisquer outras genitálias descobertas também são proibidas.

Exploração e violência sexual – O Facebok diz que vai remover qualquer conteúdo que ameace ou promova a exploração e violência sexual, incluindo também a exploração de menores e assédio. A definição da empresa para exploração sexual é a “solicitação de material sexual, qualquer conteúdo sexual envolvendo menores, ameaças de compartilhamento de imagens íntimas e ofertas de serviços sexuais”. Por sua vez, a empresa define ofertas de serviços sexuais como “prostituição, serviços de acompanhantes, massagens sexuais e atividades sexuais filmadas”.

Ataques a figuras públicas – A rede social permite críticas a pessoas públicas, mas quando a crítica verbal se transforma em uma ameaça real, o conteúdo deverá ser removido. O mesmo vale para discursos de ódio, levando em consideração os mesmos critérios de “raça, etnia, nacionalidade, religião, gênero, orientação sexual, deficiência ou doença”.

Organizações perigosas – O Facebook diz que não permite o uso de sua plataforma por parte de organizações envolvidas com atividades terroristas e atividades de crime organizado. A empresa também vai remover conteúdo que expresse apoio a tais grupos e suas ações.

Atividades criminosas – O uso da rede social para facilitar ou organizar atividades criminosas não é permitido. O Facebook veta conteúdo que possa causar danos financeiros a pessoas ou negócios ou que causem danos físicos a pessoas, negócios ou animais. A empresa também diz trabalhar com as autoridades quando acreditam que há um risco real de danos físicos ou ameaça direta à segurança pública.

Identidade falsa – A rede social pede que sua comunidade utilize sua identidade real na rede social por incentivar o uso mais responsável da ferramenta. Se o Facebook descobrir que você tiver mais de um perfil pessoal, poderá solicitar que sejam fechados os perfis adicionais. Além disso, páginas que imitem outras pessoas serão fechadas.

Propriedade intelectual – O Facebook não permite uso e divulgação de material protegido por direitos autorais na rede se o usuário não tiver permissão para isso.

Produtos controlados – Não é permitido vender produtos regulamentados como armas, álcool e tabaco. Posts promovendo estes conteúdos devem obedecer a legislação local. O Facebook proíbe o uso de sua plataforma de pagamentos para este tipo de comércio.

Phishing e spam – O Facebook tenta evitar estas práticas e solicita que não se entre em contato com outras pessoas com fins comerciais sem permissão.

Como denunciar conteúdo?

Para marcar um post para análise, acesse a timeline da página ou usuário que postou o material que você considera impróprio e encontre o post em questão. Em seguida, pressione a setinha que acompanha o post e clique em “Denunciar vídeo”, “Denunciar publicação” ou “Denunciar foto” (depende do tipo de post). Uma janelinha irá surgir pedindo mais detalhes sobre o motivo daquele ser conteúdo ser considerado impróprio na sua opinião. Marque a opção mais adequada e o post irá sumir para você e o material será enviado para análise.

Reprodução

Como funciona a remoção de conteúdo?

O Facebook diz que todas as denúncias são analisadas manualmente pela equipe. Segundo a empresa, a exclusão acontece apenas em caso de violação dos termos e mediante ordem judicial.

As denúncias são classificadas de acordo com o tipo e entram em uma fila de análise da equipe. Alguns casos, como conteúdo suicida e usuários menores de 13 anos (proibidos de criar contas) acabam passando na frente. No primeiro caso, a rede pode sugerir o encaminhamento para instituições de ajuda.

Depois de fazer uma denúncia, o usuário pode conferir a o status da análise no painel de suporte. Clique aqui para conferir o seu. O Facebook também diz que não adianta denunciar o mesmo conteúdo várias vezes; se ele não for considerado impróprio, ele não será removido.

Três respostas sobre as novas caronas pagas no Waze

Waze-carpool

O Waze vai trazer o seu serviço de caronas pagas, o Carpool, para o Brasil em breve. São Paulo deve ser a primeira cidade a receber a novidade, que vai funcionar em um aplicativo separado do já conhecido GPS com estatísticas de trânsito em tempo real.

Di-Ann Eisnor, diretora do Waze, veio ao Brasil para dar mais explicações sobre o novo serviço que a empresa vai oferecer aos seus mais de 3 milhões de usuários em São Paulo. Confira a seguir os três principais pontos sobre a novidade.

Como será definido o preço de cada viagem no Waze?

Como o preço do combustível pode variar de região para região, o Waze vai adotar um sistema de definição de preços baseado em quilometragem.

Nesse ponto, a política de preços é parecida com a Cabify, concorrente do Uber. No entanto, não há planos de aumentar o preço em horário de rush, apesar do consumo de combustível ser mais alto ao ficarmos parados no trânsito.

Como fica a questão da segurança?

O Waze vai usar um sistema de avaliação de motoristas e passageiros, ao estilo Uber. Aliás, a ideia da empresa é que você encontrará com o mesmo motorista com regularidade, se suas rotinas forem compatíveis – o que ajuda a criar um vínculo de confiança e aumentar a segurança no uso do app.

Além disso, ele terá um recurso de combinação de gêneros. Por exemplo, se você é mulher, será possível escolher pegar caronas somente com mulheres e vice-versa.

Como os pagamentos serão recebidos?

A política de pagamentos do Waze ainda está em fase de definição. Provavelmente, o dinheiro será pago aos motoristas por meio. É por isso que ainda não há uma data de lançamento oficial do Carpool no Brasil.

A princípio, a empresa não pretende cobrar por conectar os passageiros aos motoristas. No futuro, isso pode acontecer.

Você não vai poder usar o Waze para trabalhar como no Uber ou no Cabify. O limite de viagens será de duas por dia.

O serviço de caronas do Waze, por enquanto, funciona somente nos Estados Unidos e em Israel. No Brasil, ele deve estrear até o final do ano.

Veja o vídeo de divulgação do Waze Carpool a seguir.

https://goo.gl/nvhZGx

Microsoft oferece cursos de especialização de graça; saiba como participar

Durante todo o mês de março, a Microsoft vai oferecer, gratuitamente, cinco especializações com certificado. A iniciativa recebeu o nome de “Maratona Open Source + Azure” e tem duração de cinco semanas.

As especializações estão disponíveis em vídeos online e podem ser acessadas a qualquer hora, em qualquer dia. Os cursos contam ainda com um material de apoio em PDF, além de sessões ao vivo com instrutores para solucionar dúvidas.

Confira os temas disponíveis e se inscreva neste link. Confira abaixo mais informações sobre os cursos disponíveis.
  • Open Source + Azure para Educação
  • Open Source + Azure para Infraestrutura de Nuvem
  • Open Source + Azure para DevOps
  • Open Source + Azure para Dados e Análises
  • Especialista Open Source + Azure

Quem completar os curso com desempenho satisfatório deve receber um diploma emitido pela Microsoft América Latina.

https://goo.gl/Mxzfxb

Justiça classifica GIF como uma arma mortal

Um júri do Texas decidiu, com apoio do Departamento de Justiça dos Estados Unidos, que GIF pode ser tão mortal quanto uma faca, uma arma de fogo ou uma bomba, definição possivelmente sem precedentes na história judicial do país.

A decisão está dentro da análise de um caso do jornalista Kurt Eichenwald, da Newsweek, contra John Rayne Rivello. O primeiro acusa o segundo de usar uma imagem animada para tentar matá-lo.

Acontece que Eichenwald tem epilepsia e costuma falar abertamente sobre sua condição. Tendo essa informação em mente, Rivello tuitou um GIF com animações que poderiam forçar uma convulsão no jornalista — o que de fato aconteceu, segundo Eichenwald. Assim, ao analisar os autos do processo, a Justiça classificou o arquivo como uma “arma mortal”.

Um advogado da defensoria pública chamado Tor Ekeland, que costuma representar pessoas acusadas por crimes de cibersegurança federal, disse à NBC News que a definição provavelmente é inédita e difícil de se manter devido à subjetividade da situação. Para ele, a Justiça esbarra na liberdade de expressão — uma linha que tem sido usada por Ekeland em suas defesas: “Como você sabe que uma foto pode ou não disparar uma condição médica?”, questionou.

Em entrevista ao Washington Post, a especialista em cibersegurança da Universidade de Maryland Danielle Citron discordou de Ekeland, dizendo que a situação não tem nada a ver com expressão.

O que pode corroborar com sua posição é o fato de que investigadores descobriram que Rivello não só sabia da condição de seu alvo como ainda tuitou várias vezes confirmando suas intenções de causar danos a Eichenwald com o uso do GIF. Em uma das mensagens, ele é bem claro: “Enviei isso como spam a [Eichenwald,] vamos ver se ele morre”.

https://goo.gl/YW07Pp