Rede social Bubblews paga US$ 0,01 por curtida de usuários.

Dois empreendedores criaram uma rede social que paga os usuários pelos seus posts. Na Bubblews, criada por Arvind Dixit e Jason Zuccari, cada usuário recebe US$ 0,01 por clique, comentário ou por curtida dos posts, segundo reportou a Fast Company.

Depois de ter entrado na web como teste em 2012, a rede social foi relançada neste mês e já conta com 300 mil usuários. Na Bubblews, os internautas recebem o pagamento cada vez que acumulam US$ 50, o que seria o equivalente para cinco mil curtidas. A empresa não divulgou quanto dinheiro já distribuiu para seus usuários e qual o ganho médio de cada pessoa.

As regras também estipulam que os posts só podem ser escritos em inglês e com no mínimo 400 caracteres.

Publicidade e privacidade
Para os fundadores da Bubblews, eles usam uma estratégia diferente da do Facebook quando se fala em coleta de dados. A principal diferença, segundo eles, é que a Bubblews analisa informações que os usuários escolhem tornar públicas, como posts.

“Não estamos pegando nenhum dado privado das pessoas”, disse Zuccari. “Nós sabemos da idade e localização, em vez de outras redes sociais que coletam informações pessoais e as usam para direcionar anúncios.”

Atualmente, os criadores da Bubblews estão trabalhando em parceria com uma empresa de análise de sentimentos, que aplica modelos de predição nos posts dos usuários. Se esse algoritmo se tornar confiável o suficiente, a rede social poderá oferecer anúncios e compras de acordo com o tipo de personalidade de cada um.

Par de Patins tecnológicos é financiado no Kickstarter.

Uma empresa americana está com um financiamento coletivo (crowdfunding) no Kickstarter para criar um modelo de patins tecnológico. O gadget chamado de Acton R RocketSkates é também um wearable, pois possui conexão via smartphone através do aplicativo Acton.

O produto tem microprocessador integrado, motores nas rodas traseiras e é sustentado por bateria de lítio que dura uma hora e meia. Ele funciona com os skates comunicando entre si para controlar e manter a velocidade e seu comportamento de uso.

RocketSkates não é um patins automático. Para funcionar o usuário precisa dar um primeiro impulso e assim acionar o motor. Colocando o pé para trás um freio eletrônico é acionado.

Ainda chama a atenção que o aplicativo, além de controlar distância, dar o status de funcionamento dos patins e o nível da bateria, ele também possui jogos no app. Chamados de Geo-Games ele permite ao usuário brincar fazer formatos geométricos em um mapa e o modo “captura a bandeira” para brincar de corrida com outro usuário.

O criador do projeto, Peter Treadway conseguiu US$ 331 mil (R$ 734 mil) dos US$ 50 mil desejados para construir os patins. De acordo com a cronologia apresentada no site, os usuários patins devem chegar ao mercado até outubro deste ano.

Cada par de patins deve sair a partir US$ 499 (R$1.119).

Facebook encerrará chat em aplicativo em breve.

Nos próximos dias, o Facebook vai parar de exibir e enviar mensagens pelo seu aplicativo principal para iPhone e Android, forçando usuários do mundo todo a baixarem o app específico para o chat, o Facebook Messenger. As informações são do Tech Crunch.

A medida começou primeiro na Europa em abril, mas vai se estender para todos os usuários do aplicativo da rede social. A iniciativa não vale para o site do Facebook – independentemente se for aberto no desktop ou no celular -, e para usuários de celulares comuns (feature phones), iPad, Windows Phone e Paper.

Em nota à publicação, o Facebook informou que vai notificar os usuários nos próximos dias sobre a mudança e que tem o objetivo de tornar o Messenger “a melhor experiência de mensagens móveis possível e evitar confusão de ter experiências separadas do chat do Facebook”. As notificações vão aparecer no próprio aplicativo do Facebook ou por e-mail.

A empresa ainda acrescentou que o Messenger é usado por mais de 200 milhões de pessoas por mês e que os usuários do app enviam mais fotos, mensagens em grupo, vídeos, adesivos e áudio do que usuários do aplicativo oficial do Facebook.

Criador do Tinder cria aplicativo para novos músicos.

Um dos cofundadores do Tinder, Christopher Gulczynski, e a ex-vice-presidente de design do aplicativo de namoro, Sarah Mick, se juntaram para lançar um novo app para iPhone. O Next promete ser o Tinder da música, conectando usuários a novos músicos independentes. As informações são do The Next Web.

A novidade funciona assim: os músicos gravam vídeos de dez segundos a três minutos de suas músicas. Os usuários assistem a trechos de 30 segundos das músicas e deslizam o dedo para a esquerda para descartar a faixa, e para a direita para curtir.

Se eles se interessarem por um artista, podem segui-lo no aplicativo ou clicar para compartilhar o perfil do músico via SMS, e-mail e Twitter. A estratégia está no modelo igual ao do Tinder, que também usa os comandos de dedo para descartar e curtir pessoas para um possível relacionamento.

Segundo a publicação, o conteúdo do aplicativo varia entre adolescentes cantando em seus quartos, bandas independentes bem produzidas e DJs, principalmente porque o lançamento é bastante recente. A ideia do Next é convidar pequenas gravadoras e agências para colocar um conteúdo mais produzido no app.

Saiba por que os criadores do WhatsApp têm celulares antigos.

Os fundadores do WhatsApp ainda utilizam “tijolões” como celular. Segundo o jornal Expansion, Brian Acton usa um aparelho Nokia E72, lançado em 2009, e Jan Koum, um Nokia E5, lançado em 2010.

A razão para os dois continuarem a usar celulares velhos, mesmo após o Facebook ter comprado a empresa por US$ 19 bilhões, é que os telefones celulares sem recursos – quando comparado aos smartphones – ainda são os mais utilizados do mundo e não devem dar lugar aos celulares inteligentes tão cedo.

Eles lembram que uma em cada cinco pessoas têm um smartphone na Indonésia e que menos de 10% da população indiana usa os celulares potentes. Acton e Koum veem neste mercado um grande potencial, e começaram a trabalhar com o sistema S60, o mais usado na Índia, como um dos meios para levar o WhatsApp a 1 bilhão de usuários no mundo todo. Deste modo, a dupla aposta suas fichas não apenas no Android e iOS, mas também em plataformas mais baratas.

Celular de menina de 13 anos pega fogo enquanto ela dorme.

O smartphone de uma americana de 13 anos queimou embaixo do travesseiro dela, enquanto ela dormia, segundo informações do canal Fox 4. O celular, do modelo Samsung Galaxy S4, pegou fogo e ficou totalmente destruído.

Ariel Tolfree tinha colocado o celular embaixo do travesseiro antes de dormir, e acordou porque sentiu o cheiro forte de queimado do aparelho pegando fogo. O pai da garota acredita que o smartphone superaqueceu por estar embaixo do travesseiro.

Para o canal de TV, ele mostrou o telefone destruído e a bateria, que parece ter “inchado” e causado o incidente.

Um porta-voz da Samsung disse que os produtos da marca são seguros e apontou que a bateria dentro do Galaxy S4 de Ariel Tolfree não era a original da companhia. A fabricante sul-coreana também avisa no guia de uso do produto que deve-se evitar cobrir o smartphone com lençol ou qualquer outro material que possa restringir a passagem de ar para o celular e causar um incêndio.

A empresa pediu que o aparelho queimado seja enviado para uma investigação mais profunda.

Aplicativo ensina usuários a escolher vinho.

Um novo aplicativo de iPhone ensina usuários a como se tornar conhecedores de vinhos. O WineGlass é um app que possibilita as pessoas buscarem informações sobre vinhos ao simplesmente tirar uma foto da da carta de vinhos de um restaurante utilizando o smartphone.

Segundo o site da empresa, a ideia do app surgiu após uma visita dos irmãos americanos Roddy Lindsey (ex engenheiro de programação no Facebook) e Alec Lindsey em um restaurante na cidade de Moscou. Eles não conseguiram identificar os vinhos no menu nem tipo de uva ou coloração (tinto, branco, verde ou rosé). Acabaram escolhendo o segundo mais barato e tendo a ideia de criar uma ferramenta para não passar mais por esse problema.

Ao custando US$ 4,99 (o equivalente a R$ 11) na loja de aplicativos da Apple, a App Store, o novo aplicativo busca em um banco de dados as informações dos vinhos.

Após analisadas pelo sistema, o WineGlass dá as informações com pontuações de uma até cinco estrelas, média de preço (em dólar) da garrafa de vinho, origem do engarrafamento, tipos de alimentos que combinam (harmonizam) com o vinho e comentários de outros usuários.

O banco de dados do aplicativo tem como base a Cellar Tracker, comunidade de fãs de vinho na internet que possui 3,7 milhões de análises de diversas garrafas. O aplicativo permite guardar as informações dos vinhos favoritos em uma conta do usuário na comunidade.

BBC Click: Celular é desbloqueado por pulseira via bluetooth.

O boletim de tecnologia da BBC desta semana traz destaques como um novo acessório para um smartphone da empresa de eletrônicos chinesa Shiow-me: Mi Band, uma pulseira que se conecta ao aparelho via bluetooth.

O produto, que custa apenas US$ 13 (cerca de R$ 29), pode desbloquear o telefone.

Entre os outros destaques do BBC Click estão a Copa do Mundo de robôs, na Paraíba, e os lucros do Facebook, que dispararam 138% no segundo trimestre deste ano. A rede social conta com mais de 1,3 bilhão de usuários mensais, sendo que 60% acessam o site diariamente.

Curitiba tem Wi-Fi grátis em 91 pontos públicos.

Com smartphones mais acessíveis, a demanda por internet móvel é cada vez maior. Com isso, pontos Wi-Fi públicos são vistos como vantagem pelos cidadãos e visitantes e como estratégia para governos.

Em Curitiba, além de praças e parques, a prefeitura oferece acesso à internet grátis principalmente em escolas. Na capital do Paraná, são 80 escolas municipais com o serviço, além de 11 parques e praças espalhados pela cidade.

Para utilizar o serviço, é preciso apenas localizar a rede WIFI_CURITIBA pelo dispositivo e se registrar no site Passaporte Curitiba. O cadastro pede informações pessoais como nome, e-mail, CPF e endereço, além da criação de uma senha.

Neste link, é possível encontrar os endereços das escolas que oferecem o serviço. Abaixo, confira a lista das praças e parques com acesso à internet grátis.

Local Endereço
Jardim Botânico Rua Engenheiro Ostoja Roguski, 690
Largo da Ordem Região Central – Setor Histórico – B. São Francisco
Mercado Municipal Av. Sete de Setembro, 1865 – Centro
Parque Barigui Avenida Cândido Hartmann – B. Santo Inácio
Praça da Espanha Alameda Dr. Carlos de Carvalho, 1238 – B. Batel
Regional Boa Vista Av. Paraná, 3600 – B. Boa Vista
Regional Boqueirão Av. Marechal Floriano Peixoto, 8430 – Boqueirão
Regional Matriz Praça Rui Barbosa – Centro
Regional Pinherinho Av. Winston Churchill, 2033 – B. Pinheirinho
Regional Portão/Fazendinha R. Carlos Klemtz, 1700 – B. Fazendinha
Regional Santa Felicidade Rua Santa Bertilla Boscardin, 213 – B. Santa Felicidade

 

Facebook prepara serviço de busca, diz Mark Zuckerberg.

Durante uma ligação com analistas de mercado na última quarta-feira, Mark Zuckerberg disse que o Facebook poderá ser usado para buscar o “último videoclipe da Shakira” e muito mais nos próximos seis meses. O presidente-executivo da maior rede social do mundo, com 1,32 bilhão de usuários mensais, afirmou que sua companhia tem trabalhado em um algoritmo de busca e espera que ele esteja bem melhor em futuro próximo, informa o Wall Street Journal.

“Tem um grande potencial, um monte de questões que apenas o Facebook pode responder que os outros serviços não conseguem responder para você”, disse Zuckerberg. Com esta nova iniciativa, o Facebook tentará manter seus usuários mais tempo na rede social, via celular ou aplicativo, além de entrar em disputa com os buscadores Google e Bing da Microsoft.

Fundador e acionista majoritário do Facebook, Mark Zuckerberg afirmou que os engenheiros da rede gostam de lembrá-lo que criar um mecanismo de busca para achar conteúdo na rede social – trilhões de posts, disse o jovem executivo – é uma tarefa maior que a atual busca na internet. “Tem tanto conteúdo que precisa ser indexado”, disse o executivo.