12/09 – Dia do programador

 

\Meu código fonte É a minha poesia!\

Meu código fonte reflete o meu dia a dia, as minhas emoções.
Quando estou feliz as linhas de comando fluem com leveza, a formatação e os comentários são escritos com desenvoltura e é até possível encontrar piadas na documentação da fonte.
Quando estou feliz, os meus packages e afins são bem mais estruturados, são sólidos, são estáveis e não dão erros de portabilidade.
Quem for “ler” meu código fonte posteriormente vai se sentir bem. Vai sentir a minha alegria ao desenvolver aquelas linhas, vai se sentir inspirado a partir daquele trabalho.
Isso não advem por que, como em uma poesia, uso palavras marcantes em frases bem estruturadas.

A organização, a qualidade e o algoritmo fazem do código uma obra-prima, e convenhamos, todos nós desenvolvedores somos NERDS e adoramos ler um programa bem estruturado, que nos faz entender e invejar o programador que fez aquilo.

Do mesmo jeito, a dias que o stress fala mais alto, a falta de reconhecimento, as brigas no relacionamento… Enfim, os problemas externos ao trabalho, influem na poesia que chamamos de código-fonte.

Trechos de código escritos de má vontade, a falta de organização e comentários, documentação inexistente.
A vontade de terminar aquele programa logo, se livrar daquilo, usar aquelas linhas de código como porrete para acertar alguém e muito ódio no coração!
Isso com certeza irá transpassar para quem vier depois, que pode se sentir desmotivado, que pode vir a te odiar…

\O que fazer para se manter sempre inspirado e sempre escrever uma boa poesia?\

Faço do meu ambiente de trabalho um lugar agradável, que tente me tirar dos problemas, para que a minha poesia diária se torne a melhor possível!
Pode ser que outra pessoa não vá ler meu código posteriormente, mas eu sei que eu vou ter que lê-lo.
Então, procuro fazer o melhor de mim na hora que eu estiver desenvolvendo para evitar o fatídico refactoring.

Um outro jeito muito mais divertido (mais nerd) de ver o meu código-fonte é imaginar que estou escrevendo um poema épico, onde através de um enredo bem elaborado, chamado algoritmo, tento matar o dragão, chamado problema, para conquistar o coração da princesa, que vamos chamar de reconhecimento e promoção.

Retirado:  DIÁRIO DE UM PROGRAMADOR 14: MEU CÓDIGO FONTE É A MINHA POESIA

 

Site publicado – Paralímpico Brasileiro

Parabéns equipe a2designer pela conclusão do site do Congresso Paralímpico:

Academia Paralímpica Brasileira

A Academia foi criada pelo Comitê Paralímpico Brasileiro em 2010 e tem por finalidade fomentar e produzir o conhecimento científico do desporto paralímpico. Conheça mais.

http://www.cpb.org.br/congresso/

Confira um vídeo da paralimpíadas: http://www.youtube.com/watch?v=y5whWXxGHUA