Instagram testa compartilhamento de fotos para lista privada de amigos

Os usuários do Instagram estão prestes a ganhar mais uma opção de privacidade na rede social. A plataforma está testando um recurso de compartilhamento de fotos para listas de amigos.

A ferramenta deve funcionar como uma lista de favoritos, na qual o usuário poderá compartilhar fotos e vídeos somente com pessoas pré-selecionadas. Quando você criar uma publicação regular ou uma postagem no Stories, novas opções de compartilhamento serão exibidas, sendo que na opção “Favoritos”, somente as pessoas que estão na sua lista terão acesso à publicação.

Aparentemente, ninguém é notificado quando é adicionado ou o removido de uma lista e só sabe que faz parte de uma quando vê um emblema verde de “favorito” no topo das postagens. Além disso, se você remover uma pessoa de seus favoritos, ela perde o acesso a todas as suas postagens privadas.

Segundo informações do The Verge, o recurso já está sendo testado por um pequeno grupo de usuários e deve ser liberado para todos nos próximos meses.

Inteligência artificial da Microsoft já joga videogame melhor que os humanos

O temor sobre a evolução da inteligência artificial e seu avanço é que as máquinas tornarão os humanos obsoletos. Agora, mais uma demonstração da capacidade foi dada pela Microsoft, que quebrou o recorde de 933.580 pontos alcançado por Abdner Ashman, o maior pontuador em Ms. Pac-Man da história, segundo o site Twin Galaxies.

Não só a máquina superou a marca de Ashman, mas também garantiu que nunca mais seria superada no clássico do Atari 2600, alcançando a pontuação máxima de 999.990, após a qual simplesmente não é mais possível jogar. Ou seja: a inteligência artificial da Microsoft venceu o jogo, algo que nenhuma pessoa viva foi capaz de fazer.

 

Para obter o resultado, a Microsoft usou uma inteligência artificial desenvolvida por uma empresa chamada Maluuba, que foi comprada no início deste ano. O sistema, batizado de Arquitetura de Recompensa Híbrida, que usa 150 componentes de recompensa, que oferecem um bônus a cada ação correta no jogo, como pegar as bolinhas e fugir de fantasmas. Assim, o sistema foi evoluindo para saber o que priorizar a cada momento, o que permitiu o jogo perfeito.

A escolha por Ms. Pac-Man se deu pelo fato que o game foi desenvolvido para ser menos previsível do que a versão original do game. A ideia é replicar o conceito para situações da vida real que sejam imprevisíveis, muito além dos jogos.

Coincidentemente, quando a Blizzard anunciou uma parceria com o Google para usar a tecnologia da DeepMind para treinar a inteligência artificial do jogo Starcraft 2, o CEO da Microsoft chegou a criticar a ação. Na ocasião, Satya Nadella afirmou que as decisões da empresa em inteligência artificial seriam direcionadas a ajudar pessoas e instituições a resolverem os problemas mais graves da nossa sociedade, e não para vencer humanos em jogos.

https://goo.gl/NogFYU

 

Fone de ouvido traduz até oito idiomas em tempo real e sem internet

Parece ficção científica, mas é real. Uma startup australiana chamada Lingmo começou a vender nesta semana o seu primeiro produto: Translate One2One, um fone de ouvido capaz de traduzir até oito idiomas em tempo real e sem precisar de acesso à internet.

O dispositivo usa o sistema de inteligência artificial Watson, da IBM, para reconhecer a linguagem natural falada e traduzir para o idioma de escolha do usuário. O One2One funciona com inglês, japonês, francês, italiano, espanhol, alemão, chinês e até com o português brasileiro.

O fone vem equipado com um pequeno microfone, responsável por captar o áudio e oferecer a tradução em segundos. Como informa o site Digital Trends, o usuário ainda pode pareá-lo com um iPhone por Bluetooth e conferir também uma tradução em formato de texto, diretamente num aplicativo para o celular.

Outros aparelhos semelhantes já são vendidos em algumas partes do mundo, mas o diferencial do One2One é que ele faz toda a tradução sem precisar de acesso à internet ou outra rede móvel. É possível comprar o tradutor portátil por US$ 179 (equivalente a mais de R$ 580, em conversão direta, sem contar impostos) pelo site da fabricante, que oferece entrega também para o Brasil.

Alemanha testará reconhecimento facial em estações

Reconhecimento facial

A Alemanha testará um programa de reconhecimento facial neste verão (boreal) em uma estação de Berlim para utilizá-lo no futuro em investigações antiterroristas ou criminais, anunciou neste sábado o ministro do Interior, Thomas de Maizière.

“É verdade que já dispomos de videovigilância nas estações. Mas não podemos, por exemplo, colocar a foto de um terrorista em fuga em um programa para dar o alarme caso apareça em uma estação”, afirmou o ministro citado no site do jornal Tagesspiegel.

O ministro conservador, próximo à canceler, Angela Merkel, espera testar um programa desse tipo na pequena estação de Südkreuz, em Berlim, com voluntários, e pretende usá-lo em outros âmbitos além da luta antiterrorista.

“Se o programa confiável, poderia ser utilizado para crimes graves em outros lugares onde haja câmeras de vigilância”, acrescentou, sem dar mais detalhes.

Segundo o Tagesspiegel, a medida esbarraria em poucos obstáculos jurídicos, pois se limita a apontar contra suspeitos sem restringir suas liberdades.

https://goo.gl/b8l8VB

Divisão de robótica do Google é vendida a conglomerado japonês

Um dos braços da Alphabet que mais tem gerado interesse público nos últimos meses, a Boston Dynamics deixará de ser uma empresa-irmã do Google. Nesta sexta-feira, 9, o conglomerado japonês SoftBank anunciou ter fechado acordo com a Alphabet para levar sua divisão de robôs embora. E, junto, vai também a Schaft.

Os termos do acordo não foram divulgados, mas aparentemente o time inteiro da Boston Dynamics entrou no barco japonês. “Compartilhamos da ideia do SoftBank de que avanços tecnológicos devem mirar o benefício da humanidade”, declarou Marc Raibert, fundador e CEO da empresa.

Raibert e sua equipe são os responsáveis pelos robôs quadrúpedes capazes de andar, correr, saltar e se equilibrar que de tempos em tempos aparecem na internet. Um desses robôs ficou famoso devido a um vídeo que o mostrava se mantendo persistentemente em pé após ser chutado por várias pessoas, e outro foi considerado pela própria empresa um “indutor de pesadelos”. Isso torna o negócio ainda mais curioso, já que o SoftBank é responsável pelo Pepper, um robô de aparência mais “fofa”.

A empresa foi adquirida pelo Google em 2013 e depois realocada dentro da Alphabet, mas há meses se especula que o conglomerado estava tentando vendê-la. O nome que sempre aparecia no radar era o da Toyota, que rivaliza com o SoftBank no mercado de robótica.

A outra empresa a entrar no negócio, a Schaft, é bem mais discreta. Fundada em 2012 dentro do laboratório JSK Robotics, da Universidade de Tóquio, ela continua sob comando dos quatro cofundadores (Yuto Nakanishi, Junichi Urata, Narito Suzuki e Koichi Nishiwaki) e é especializada em robôs bípedes, mas nem site tem.

https://goo.gl/5XRbdH

Gerenciando projetos com simplicidade e eficiência II

 

Dando continuidade ao assunto, vamos falar na prática algumas experiências que estamos vivendo em nossa empresa e que talvez seja interessante compartilhar.

Trabalhamos com desenvolvimento de projetos na área de T.I a mais de 15 anos e tivemos vários tipos de experiências ruins e outras boas experiências, as ruins e as boas nos ensinaram a progredir nesse assunto delicado que é um problema em várias empresas.

Vamos começar com o caso vovô! Em um belo dia um cliente nos procurou para desenvolver uma loja virtual para vender artigos artesanais. Bacana! Trabalhamos com um framework completo que resolve esse problema fácil! Cadastro de produtos, cálculo de frete, controle de estoque, integração com vários meios de pagamento, tudo que uma loja precisa. Quase tudo no entendimento do cliente.

Apresentamos toda a plataforma para o cliente, todas as funcionalidades disponíveis. Tiramos todas as dúvidas, gastamos um bom tempo entendendo a necessidade do cliente. Tudo alinhado, vamos fechar o contrato e começar o desenvolvimento da loja.

Em menos de 3 dias o cliente nos solicitou uma reunião e fomos conversar. Da noite para o dia a loja virtual não atendia aos requisitos antes levantados com o cliente. Costumo brincar que o cliente dorme e no outro dia acorda com novas ideias, e que ideias! Resumindo, o cliente queria que na loja virtual tivesse a seguinte funcionalidade: eu quero que a pessoa que acessar minha loja, possa selecionar meus produtos e simular eles em ambientes diferentes, por exemplo, um vaso ser colocado em uma sala, ou em um quarto e que eu possa também selecionar as cores das paredes e móveis! Uau, perguntei: só isso? Foram horas de tentativas para explicar que o contrato que fechamos foi uma loja virtual convencional e que o orçamento passaria longe da nova funcionalidade e que nova funcionalidade que antes da contratação não foi mencionado em momento algum. Enfim, o cliente não aceitou e reincidiu o contrato, ficou muito indignado conosco e confesso que fiquei assustado e convicto da importância de um levantamento de requisitos bem feito e bem documentado, veja bem, bem documento é fundamental para todos os projetos, inclusive uma simples loja virtual.

Minha hipótese de que o cliente dorme e no outro dia acorda com milhares de ideias novas foi comprovada neste caso e em outros que já convivemos, mas e aí o que fazer? Documentar e documentar, além disso validar com o cliente. Neste caso, hoje eu faço diferente, coloco em detalhes todas as funcionalidades existentes na loja virtual e insiro uma cláusula: qualquer item a parte das funcionalidades descritas são objeto de contrato a parte e por se tratar de um framework, a loja virtual, especifico que caso tenha alguma nova funcionalidade vai depender da possibilidade dentro do framework.

Citei esse exemplo apenas como alerta para entendermos a importância da documentação em projetos. Seja utilizando o WBS que descreve todos os módulos de um projeto e desmembra as funcionalidades de cada um dos módulos. Seja utilizando um protótipo que tenho excelentes exemplos de projetos que tivemos sucesso após a validação do protótipo pelo cliente. Hoje nenhum projeto é feito, sem a validação do protótipo, no meu entendimento é a melhor ferramenta que ajuda o cliente a visualizar o projeto, navegar e entender o que realmente ele deseja.

Em resumo, tenha ferramentas ágeis e intuitivas para se proteger de maus entendidos, além de ajudar seu cliente a entender sua real necessidade e ter em mãos documentos que irão auxiliar no sucesso do projeto e cumprimento de prazos. Bons projetos e até a próxima.

https://goo.gl/bstrZ5

Erro da Amazon mostra foto de cachorro ao invés de página do produto anunciado

Alguns usuários da Amazon tiveram problemas na última quarta-feira, 7, ao tentar visualizar os produtos que estavam sendo anunciados na plataforma.

Ao clicar nos itens exibidos na página principal do site nos Estados Unidos, os clientes eram levados para uma página com a foto de um cachorro. Depois disso, a Amazon passou a exibir a mensagem “Desculpe, alguma coisa deu errado no final”, segundo informações divulgadas pela Reuters.

Apesar de reclamações em redes sociais, a empresa não se pronunciou sobre o caso e não está claro o que pode ter causado esse erro.

https://goo.gl/Lloj3v

Polícia usa reconhecimento facial para encontrar e prender suspeito

A polícia de Gales do Sul, no Reino Unido, usou tecnologia de reconhecimento facial para encontrar e prender um suspeito pela primeira vez no bloco. A prisão foi a culminação do uso dessa tecnologia pela polícia local, o que já vem sendo feito há alguns meses.

De acordo com o Telegraph, a prisão foi feita no final de maio, mas só foi divulgada hoje e com poucos detalhes, provavelmente pelo fato de a investigação ainda estar em andamento. Trata-se da mesma tecnologia que é usada em terminais de aeroporto para agilizar a aferição de passaportes.

Escaneando rostos em eventos

Para tornar a tecnologia mais eficiente, a polícia vem se aproveitando de grandes eventos para aumentar sua base de dados e ajudar a localizar criminosos. Na semana passada, durante o jogo da final da Champion’s League, o sistema foi usado por um conjunto de câmeras no estádio para comparar o rosto dos espectadores a uma base de mais de 500 mil suspeitos nos bancos de dados da polícia.

Não foi o único evento em que essa técnica foi aplicada. Segundo o Mashable, um teste semelhante foi feito durante o Download Festival em 2015. Naquela ocasião, os cerca de 90 mil frequentadores do festival musical tiveram seus rostos avaliados pelas câmeras e comparados com as imagens dos bancos de dados da polícia.

Database do crime

Esse uso de tecnologias de reconhecimento facial pela polícia gera preocupações de privacidade. A especialista em tecnologia de policiamento Emily Taylor comentou ao Telegraph que “não apenas ela [a base de dados] poderia ser hackeada para roubar dados (…), os dados também poderiam ser corrompidos”.

Sobre esta última possibilidade, ela comenta: “O que acontece se os dados forem falsificados? Como um humano provaria que o computador está errado?”. Apesar dessas preocupações, o ex-detetive da Scotland Yard Chris Hobbs comentou que o uso dessa tecnologia deve se tornar mais comum ao longo dos próximos anos.

https://goo.gl/C5RMEO

NASA começa se preparar para os aviões autônomos

Enquanto muita gente discute e se planeja para o futuro de um setor automobilístico dominado por carros de dirigem sozinhos, a NASA pretende levar a tecnologia de condução autônoma a outro tipo de meio de transporte: os aviões. Como conta o Engadget, a agência deu, nesta semana, a permissão para três equipes de aeronáutica explorarem projetos de aeronaves autônomas não tripuladas, os conhecidos drones. É importante ressaltar, no entanto, que os chamados “aviões não tripulados” não são sempre estruturas pequenas, podendo, em alguns casos, até transportar pessoas.

Um dos estudos tem como objetivo identificar se os sistemas são capazes de tomar decisões seguras por conta própria, sem que haja qualquer tipo de interferência humana. Outro projeto quer conseguir identificar, antes do voo, se um drone está apto para voar. Segundo os pesquisadores, seria possível, por exemplo, detectar problemas, estejam eles na parte física ou de software.

O terceiro estudo tem como objetivo integrar a computação quântica para regulamentar e monitorar o voo deste tipo de equipamento.

https://goo.gl/nvlJNq

 

Tecnologia da IBM permite chips de 5 nanômetros com 30 bilhões de transistores

Quando foi lançado, o Snapdragon 835 chamou atenção por ser um dos primeiros processadores fabricados no processo de 10 nanômetros a estar amplamente disponível ao público. No entanto, uma tecnologia desenvolvida pela IBM e pelas suas fabricantes de processadores (a Samsung e a GlobalFoundries) permite fabricar processadores num processo de apenas cinco nanômetros.

Segundo a IBM, essa inovação oferece um aumento de até 40% na performance dos processadores (na comparação com chips de cinco nanômetros) usando a mesma quantidade de energia. E processadores produzidos com o processo de cinco nanômetros podem atingir o mesmo desempenho dos de 10 nanômetros economizando 75% de energia. Ou seja, eles oferecem desempenho bem melhor com muito menos energia.

Moore vive

O anúncio da IBM representa um novo fôlego para a Lei de Moore, a diretriz que dita o desenvolvimento da indústria de semicondutores desde a década de 1960. Nos anos recentes, acreditava-se que ela estivesse atingindo seu limite, já que era quase impossível continuar encolhendo o tamanho dos processadores.

Para atingir esse novo “encolhimento” do processo de fabricação dos chips, a IBM teve que desenvolver uma nova arquitetura de processadores; segundo a empresa, a arquitetura FinFET, que é usada para processadores de até sete nanômetros, não funciona bem para esse novo tamanho. A empresa desenvolveu um método que usa “fatias” de folhas de silício de proporções nanométricas.

Essas folhas são então gravadas com a tecnologia de litografia extrema em ultravioleta (EUV, na sigla em inglês). Com essa nova técnica, a empresa conseguiu colocar cerca de 30 bilhões de transistores em um chip que tem aproximadamente o tamanho de uma unha.

Importância e aplicações

Além de representar um avanço notável para a IBM, o sucesso da técnica também serve de alívio para a indústria de semicondutores como um todo: ela demonstra que ainda é possível extrair mais desempenho dos processadores por meio do encolhimento do processo de fabricação. Assim, os pesquisadores ainda não precisarão inventar novos métodos de computação para conseguir mais performance.

De acordo com o Engadget, esses novos processadores ainda estão bem longe de chegar ao mercado. Mesmo os chips de sete nanômetros só devem aparecer em dispositivos voltados para o consumidor final em 2018. No entanto, quando eles chegarem, tanto a performance quanto a duração da bateria dos smartphones devem melhorar consideravelmente. Ainda de acordo com a IBM, essa inovação também pode ser aplicada a sistemas de computação cognitiva e dispositivos de “internet das coisas”.

https://goo.gl/O6q620